domingo, 11 de novembro de 2018

O Início

Na tarde do dia 06 de setembro de 2005, num consultório médico, ouvi: “Você precisa fazer um exame de gravidez”. 
Naquele momento minhas pernas tremeram, o coração disparou, mas pensei: era somente uma suspeita. Meu marido e eu saímos do consultório e fomos imediatamente no laboratório, fazer a coleta de sangue. 
Já era fim de tarde, véspera de feriado. Tínhamos que aguardar até dia 08 de setembro pelo resultado.
Mesmo angustiados e curiosos, decidimos ir ao cinema assistir ao filme “Dois filhos de Francisco”, recém-lançado.
Saímos de lá muito emocionados com a história e envolvidos pela música “É o amor”. Sentimento este que estávamos vivendo naquele momento.
O feriado não passava e ao mesmo tempo o medo do resultado aumentava. Positivo ou negativo? O que fazer? Como vai ser? O medo do ambiente hospitalar, injeções, soro, internação, … tudo passava pela minha cabeça.
Chegou o grande dia. Não tive coragem de ligar para o laboratório. No trabalho, o telefone tocou, era o Marcos que, com muita alegria, me disse que eu ia ser mãe. Pensei: e agora o que vou fazer?
A insegurança aumentou, mas ao mesmo tempo senti muita alegria de estar gerando um filho.
Mil perguntas passavam pela cabeça: será que é um, ou mais, menino ou menina?
Meu marido estava eufórico. Toda família ficou muito feliz pois, era a chegada do primeiro neto ou neta. 

Desde o começo, queríamos muito saber o sexo do bebê.
Chegou o dia de descobrirmos quem estava a caminho. Era a Ana Beatriz! 

Então nosso mundo ficou mais cor-de-rosa.
Os meses foram passando e tudo era novidade.
As compras das roupinhas, fraldas, berço, mala para a maternidade, … 

Em todos os momentos, eu e o Marcos estávamos juntos descobrindo e vivendo cada etapa da gestação.
Era emocionante sentir a Ana Beatriz mexendo dentro da barriga …
Tudo passou muito rápido e, de repente, ela já estava em nossos braços.
O parto foi tranquilo e, a contrário do medo que eu tinha, nem senti incomodo com o soro e a anestesia.
A Ana nasceu abaixo do peso, com apenas 2,215kg, mas rapidamente chegou ao peso normal.
Imediatamente tudo mudou.
Pequenina e com uma grande missão.
Nos transformou em pais e completou a nossa família.
Daí em diante, éramos três. 

Cada dia uma nova descoberta, um novo desafio e uma nova alegria.
Os nossos dias não eram mais os mesmos, a rotina mudou completamente.
Dormíamos quando a Ana dormia e, de repente, já entendíamos o significado de cada choro.
A divisão das tarefas foi fundamental para vivermos intensamente cada momento.
E assim foi o nosso aprendizado até os 4 meses de idade da Ana.
Nas próximas postagens contaremos o que aconteceu após os 4 meses da Ana Beatriz.

7 comentários:

  1. Ana foi muito amada desde a gravidez por todos ! É uma lembrança inesquecível os momentos né ?Hoje eu entendo pois quem é mãe sabe as emoções de cada momento e de cada sofrimento deles seja por uma vacina tomada ,um tombo caído deles ou por uma doença!Mais cada momento é um aprendizado !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Camila, quem é mãe consegue entender ainda mais este período da gestação. Obrigada pelo comentário. Continue conosco!!!!

      Excluir
  2. Que emocionante a historia.. É sempre bom compartilhar!
    Parabens pelo blog.
    Bjos ao casal
    Adri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Adriana! Queremos ajudar muitas pessoas através deste blog. Venha conosco!!!!

      Excluir
  3. Flávia. Muito obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  4. Que linda a História de vocês Morgana! Infelizmente não tive oportunidade de conhecer pessoalmente a Ana, mas acompanhava pelas redes sociais e vi o quanto ela foi forte, uma heroína! Parabéns por esse blog. Admiro muito você e o Marcos. Grande beijo.

    ResponderExcluir